Sâmia Bomfim

Sâmia Bomfim - deputada federal PSOL

Sâmia Bomfim é a deputada federal mais votada do PSOL-SP. Mantém uma postura aguerrida contra os retrocessos e está construindo um mandato coletivo, em prol dos Direitos Humanos, das mulheres e dos trabalhadores. Faça parte!

Política de privacidade

Este é o podcast da Sâmia Bomfim, deputada federal pelo PSOL/SP. Aqui conversamos sobre os principais acontecimentos do Brasil e do mundo.

Conheça a deputada
Sâmia Bomfim

Sâmia Bomfim tem 30 anos, foi vereadora de São Paulo e, atualmente, é deputada federal pelo PSOL. Elegeu-se com 250 mil votos, sendo a mais votada do partido e a oitava mais votada de todo o estado de São Paulo. Seu mandato jovem, feminista e antifascista levanta bandeiras que a maioria dos políticos não tem coragem de levantar. Ela é linha de frente no enfrentamento do conservadorismo e na oposição aos desmandos do governo Bolsonaro, defendendo sempre a maioria do povo.

Nossas bandeiras
na Câmara Federal

  • Lutar pelo impeachment de Bolsonaro.
  • Lutar para ampliar e garantir os direitos das mulheres.
  • Defender as vidas, os empregos e os direitos das brasileiras e dos brasileiros diante da pandemia de Covid-19.

Ler mais

Seja PSOL

Resistir e lutar é uma necessidade histórica. Defender os direitos sociais, a democracia, a liberdade. Lutar contra a mentira, o ódio, o preconceito e a violência. O PSOL nasceu para organizar aqueles que lutam por um Brasil e um mundo melhores, para os trabalhadores, mulheres, negras, negros e LGBTs. Filie-se!

Política de privacidade

Conheça a
bancada do PSOL
na Câmara Federal

  • Minas Gerais
    Áurea Carolina
  • Rio de Janeiro
    David Miranda
  • Pará
    Edmilson Rodrigues
  • Rio Grande do Sul
    Fernanda Melchionna
  • Rio de Janeiro
    Glauber Braga
  • São Paulo
    Ivan Valente
  • São Paulo
    Luiza Erundina
  • Rio de Janeiro
    Marcelo Freixo
  • Rio de Janeiro
    Talíria Petrone

Justiça para Marielle

Já são mais de dois anos das execuções de Marielle Franco e Anderson Gomes. Até agora, só descobrimos quem apertou o gatilho, mas ainda não sabemos que mandou matar Marielle e por quê? O assassinato político não pode ser naturalizado no Brasil. Exigimos que essas respostas em nome da memória de Marielle Franco e de sua luta em defesa de mulheres, LGBTs, do povo negro e dos trabalhadores.

Justiça para Marielle