Sâmia Bomfim

  • Economia

Sâmia e PSOL cobram explicações por atrasos no pagamento do salário-maternidade

Trabalhadoras encontram dificuldades para acessar o benefício previsto em Lei.

A bancada do PSOL encaminhou ao governo federal pedido de explicações sobre a demora nas concessões do salário maternidade, ultrapassando o prazo legal de 45 dias. O requerimento de informações foi protocolado ontem (14/10) para o Ministério da Economia.

Na avaliação do PSOL, os atrasos se devem a duas estratégias do governo federal que estão interligadas em torno do eixo austeridade fiscal: a não reposição do quadro de pessoal, apesar das demandas recorrentes dos servidores do órgão, e a tentativa de redução de gastos públicos por intermédio de variadas formas de obstrução para o acesso da população aos benefícios sociais.

No requerimento são solicitados dados mais atuais disponíveis, das despesas financeiras decorrentes de juros, correção monetária e indenizações decorrentes dos atrasos no pagamento do salário-maternidade, já que já houve ação por danos morais contra o INSS.

“A conduta do INSS de retenção injustificada do salário maternidade compromete o pagamento das despesas básicas e ordinárias das beneficiárias, colocando em risco a própria subsistência das famílias mais vulneráveis”, afirma a bancada.

Conheça a deputada
Sâmia Bomfim

Sâmia Bomfim tem 30 anos, foi vereadora de São Paulo e, atualmente, é deputada federal pelo PSOL. Elegeu-se com 250 mil votos, sendo a mais votada do partido e a oitava mais votada de todo o estado de São Paulo. Seu mandato jovem, feminista e antifascista levanta bandeiras que a maioria dos políticos não tem coragem de levantar. Ela é linha de frente no enfrentamento do conservadorismo e na oposição aos desmandos do governo Bolsonaro, defendendo sempre a maioria do povo.

Nossas bandeiras
na Câmara Federal

  • Lutar pelo impeachment de Bolsonaro.
  • Lutar para ampliar e garantir os direitos das mulheres.
  • Defender as vidas, os empregos e os direitos das brasileiras e dos brasileiros diante da pandemia de Covid-19.

Ler mais