André Sturm ataca novamente

O Secretário de Cultura da cidade São Paulo, André Sturm, chantageou o diretor do Instituto Odeon, que atualmente gere o Theatro Municipal. Sturm deixa claro, em reunião ocorrida em seu gabinete, que a aprovação das prestações de contas mensais feitas pela entidade só ocorreria se houvesse uma rescisão amigável do contrato - com vigência até 2021.

O caso foi tema de uma reportagem da rádio CBN em novembro desse ano.

Nos primeiros meses de 2018, o processo de escolha da gerência do Theatro foi frustrado pelas polêmicas que gerou. As justificativas dadas por Sturm não convenceram ninguém. Isso porque o Instituto classificado em primeiro lugar no chamamento público era de Cleber Papa, diretor da Fundação em 2016, e de sua esposa, Rosa Caramaschi, motivo que gerou a suspensão do processo pelo Tribunal de Contas do Município, sendo vencedor o Instituto Odeon, que estava em segundo colocado.

Essa não foi a primeira vez que André Sturm se envolveu em polêmicas desde que assumiu Secretaria. Em maio, Sturm ameaçou agredir fisicamente um ativista durante uma conversa que tratava da continuidade de um projeto de fomento cultural na zona leste da cidade. Ele também foi alvo de investigação pelo Ministério Público Estadual por possível direcionamento do edital para empresa Dream Factory para a realização do carnaval de rua neste ano. Além disso, carrega várias acusações de assédio contra funcionários da Secretaria Municipal de Cultura.

Relembre os casos:

Secretário de Doria ameaça 'quebrar a cara' de ativista cultural da zona leste

MP processa Prefeitura por suposto favorecimento em concorrência para carnaval

Controladoria de SP investiga áudio em que assessora acusa secretário André Sturm de assédio

Diante disso tudo, vale questionar: por que o prefeito Bruno Covas insiste em manter Sturm no comando da secretaria de cultura?

Outras notícias